sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

Aroma de Lar



O que mais gosto quando estou na casa dos meus pais é o aroma de lar

Os pomares nos convidam para fora
Um passeio à meia luz
O sol ainda preguiçoso resmunga para brilhar
Do seu sono mais profano a lua apressada o fez despertar

Agora fora...os pomares a conversar
Os pássaros cintilando...esfomeados a dançar
Gosto do bálsamo...o perfume a abrolhar
Das flores...cardumes coloridos reluzentes do pomar

A noite chega e com ela ruídos invisíveis
Incógnitas indecifráveis esculpidos em minha mente
Tento interpretar as balbúrdias intranscendentes
À noite...no pomar...qualquer bicho vira gente

Insetos afloram nas paredes lisas
Deslizam pelos fachos luzentes da sala de estar
Combinam entre si a dança festiva
Jantam uns aos outros na sala de jantar

No meio do nada
Meio sonho...meio desperto
Onde a escuridão
Vela o sono...vela o inquieto

Antes do mergulho e de sonhar o mais belo
Antes de adentrar no cômodo modesto
Sinto a fragrância e me sinto por inteiro
Estou em casa...pomares...insetos...mas já vem janeiro

Volto para “minha casa”...concreto estrangeiro
Mas com o aroma impregnado no travesseiro
Odor incólume...maestro da mais bela maestria
Até à vista...à próxima visita

O que mais gosto quando estou na casa dos meus pais é o aroma de lar

terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Amanhecer

"Abençoada pelo frescor do orvalho, toda manhã torna-se estreitamente úmida aos novos lábios.......os sentidos aguçados rastejam traiçoeiramente ao encontro de alegrias e tristezas opostamente complementares ao definhar do dia".

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Lembrete

"Mesmo que inicie a jornada e persista na felicidade...nunca esqueça que a tristeza é o principal ponto de partida"

segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Ideal

"Nem tão perto que eu possa ver...nem tão longe que eu possa esquecer...apenas próxima para que eu possa sentir."



sexta-feira, 21 de outubro de 2011

Conquista


Quer começar a conquistar uma pessoa?
 Faça-a rir em momentos difíceis.

Nada vale mais do que um faixo de luz em meio às trevas.

segunda-feira, 26 de setembro de 2011

Por quê?


Aluno de 10 anos atira em professora e se mata em escola.

 

 

 

 

 

 

 

 


Por quê?
Sem antevê o mal que poderia cometer
Para todos que o amavam
Deixou-os sem deixar pistas...apenas sujo...ensanguentado

Davi não tinha motivos...ou tinha
Os pais, o irmão, a professora...os colegas
Davi tinha ensejos...ou não
Cativo em sua alcova chamada solidão

Contudo, feliz foi até o derradeiro segundo
Aparentemente...ou não
Levou consigo a explicação
Do que era felicidade...ou aflição

Apenas 3650 dias
De uma vida ainda não vivida
Pouco
Para alguém que...talvez...pedisse socorro

Davi...fica a lição
O quanto podemos ocultar no baú da alma
Davi...deixa a prisão
Angústias secretas...escondidas, tendo apenas uma chave...uma bala

Perguntas ficarão aos montes
Amontoadas em diversas teorias
Psicólogos, psiquiatras, vários nomes
Tentarão...em vão...explicar tal ato...tal melancolia

Amigos...família...sociedade
Turba perplexa diante da prematura passagem
Respostas...réplicas para tal barbárie
Todos cientes do mal que fazem

Davi se foi
E com ele a aclaração
Mas aprendemos muito
Mesmo com apago de um coração

Por quê?
Todos sabemos a resposta
O que fazer?
Olhemos nos espelhos das nossas almas

terça-feira, 20 de setembro de 2011

segunda-feira, 19 de setembro de 2011

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

No final

A distância dá saudade
A saudade resguarda a paixão
A paixão nutre o amor
E o amor é o que importa no........final.

quinta-feira, 8 de setembro de 2011

AnTeS

Antes eu amava...a ela
Antes eu respirava...por ela
Antes eu lacrimejava...com ela
Antes eu sagrava...ela

Antes eu me exercitava...pra ela
Antes eu corria e a vida era uma correria...por ela
Antes eu esvaecia e surgia...pra ela
Antes eu não tinha...nada...sem ela

Antes eu correspondia a tudo...por ela
Antes eu sorria, mesmo chorando...quando a via... só ela
Antes eu lassiava, mesmo estafado...no colo dela
Antes eu namorava, mesmo guerreado...com ela

Antes eu ouvia, mesmo surdo...os murmúrios...dela
Antes eu falava, mesmo mudo...o nome...dela
Antes eu sonhava, mesmo desperto...o sonho...dela
Antes eu acordava, mesmo soporizado...antes...dela

Antes eu me concentrava, mesmo confuso...com ela
Antes eu comia, mesmo sem fome...a comida...dela
Antes eu bebia, da sua boca...o espírito...dela
Antes eu ia, mesmo hirto...ao encontro...dela

Antes eu sentia, mesmo inerte...os sentidos...dela
Antes eu previa, mesmo cego...o futuro...com ela
Antes eu tinha, mesmo faltando tudo...ela
Antes eu cabia em meu mundo...com ela

Antes eu me equilibrava, mesmo caindo...ao lado...dela
Antes eu podia, mesmo impotente...tudo...com ela
Antes eu sabia, mesmo leigo...tudo...ao lado...dela
Antes eu jazia, mesmo finado...a vida...com ela

Agora perpetro e contenho tudo isso
Por alguém bem mais importante
Que conheci ontem...hoje
Há alguns instantes
Eu

terça-feira, 16 de agosto de 2011

Algemas da Insegurança

Polícia Federal  investiga a morte da juíza Patricia Acioli
Prende...quem mandou prender?
Morre...quem mandou morrer?
Declinou o martelo no tribunal
No dia em que a turba se deu mal
                   
Juízes tenham juízo
Vossas excelências estão no Brasil
Onde o ilícito é correto
É só apreciarem nosso congresso

Acioli...só mais uma
Na ala da discórdia
Perpetre seu trabalho e suma
Para além da mira dessa corja

Enquanto isso...em Brasília
Todos abismados, inclusive Dilma
Para quê algemas?
Todos são santos infernais...qual é o problema?

Segurança amputada
Para quê? Nunca houve nada
Carecemos de vultosas grades de aço
Em torno do congresso, câmara e do palácio

Entretanto, juízes continuem declinando o martelo usado
Um dia todos os quadrilheiros, de terno ou não, serão encarcerados
Seus serviços são indispensáveis
Políticos sujos, bandidos imundos...algemas em todos...todos inseparáveis

Que Patrícia não seja mais uma
Que seu martelo não vire pluma
Que Brasília se sentencie...e justiça se alcance
E se trancafie...com algemas...aos montes

sexta-feira, 5 de agosto de 2011

BEM VINDO RAUL

Para os meus amigos Jú, Serginho e seu primeiro rebento, o grande RAUL.
Concebido com a mais importante melodia
Tendo como ouvintes quatro paredes e o tálamo
Momentos da mais bela rebeldia
Corpos rebeldiamente entrelaçados no quarto

Agora vem...sua primeira nota...uma oitava acima da que todos esperavam
A melodia...pouco importa, pois tudo és belo...berro da boca para fora

Um lindo refrão monossilábico
Pedinte por água, comida, carinho...eu acho
Seu idioma...só seu...abstruso e alegórico...ouço “és ilógico”
Entretanto, todos fingem que entendem a fala indigesta...dizem “és implexa”

Chora Raul
Toca tua nota singular...soul do sul
Choro cifrado
Cifra angustiada no refrão acriançado

Toca Raul
Os nossos corações com os olhos ainda fechados
Aguardando o melhor do mundo para abri-los esbugalhados
Toca Raul
Como só você sabe
Tablaturas únicas na sua pulcra face

Metáforas reluzentes
Gosto do que vejo...você sente
Sorriso flamejante
Raul e o primeiro dente

Nunca esqueça
Apetece por dias inigualáveis...seja sincero
Já que tudo que pára apodrenta
Cante, chore, siga, prossiga por paralelas inseparáveis...caminhe correto

Agora que chegou...aproveite
Chore, toque, nos delicie com o seu mais estrondoso deleite
Não é um choro simplesmente
São os primeiros acordes de uma vida recente

quinta-feira, 4 de agosto de 2011

Reflita

‎"Caso você apetece felicidade nunca caminhe em estradas alheias...tenha a sua e cuide dela com carinho, assim seu asfalto será macio".

segunda-feira, 20 de junho de 2011

São João x Pega-ladrão


São João...festa, folia e rojão
Onde está a religião?
O próprio nome já diz
Mas...ao final...fazemos o que não condiz

A origem não importa
Se for pelo mês de junho ou pela festa católica
O que importa é a folia
E pedir marido ao santo na sacristia

Veio pelos barcos...os mesmos que traziam os escravos
Ginga seu gingado com forró, baião e xaxado...eita esses mulatos
Não só Portugal influenciou esse tal de São João
China, França e Espanha também colocaram cifras nesse refrão

Contudo, nem tudo é festa nessa ocasião
Regamos o milho com caldo etílico e distração
Assim, nem tudo que crema é a lenha da fogueira
Sentimos também o cheiro do corpo centelho que ao longe encandeia

Podemos beber, pular, namorar ou se guardar
Se ao menos soubermos moderar, aterrissar, assegurar ou liberar
Sem destruir corações, degradar famílias e blasfemar religiões
Pois ninguém tem culpa das nossas angústias, inquietudes e inpaixões.

Siga a fogueira, que clareia multidões
Pinte o sete, o nove, até complete as tais frações
Pois a festa está completa quando todos estão felizes
Até mesmo os bufões, caudilhos e meretrizes  

Só os que não merecem festejar são os governantes
Já que fazem isso o ano todo...são nossos navegantes
Navegam em nossos rios...de dinheiro
Mas, no São João esquecemos deles...nossos mensageiros

Plantões médicos...sem médico
Bater ponto...que conto
Pagura e Tardelli estão foliando em Sorocaba
Enquanto pernas engessadas saltam no plantão sem maca

Então, achincalhemos falsamente...sem contradições
Todavia, não esqueçamos deles...nossos fanfarrões
Pode ser alto o estrondo do rojão
Mas, enquanto brincamos, eles se esbaldam na contravenção

Viva ao São João!!
Vivaaa!!
Olha o médico no plantão!!
É mentira!!

Pula o São João!!
Forma a quadrilha!!
Pega ladrão!!
Todos à Brasíliaaa!!

terça-feira, 7 de junho de 2011

Dia dos Namorados

Está chegando o Dia dos Namorados......
Namorados, mesmo lado, entusiasmados
Dias sortidos, risonhos e límpidos
Mesmo que problemas existam...persistem
Mesmo que pedras pedregulem...assistem...juntos

Namorados atingidos pelo primogênito de Vênus
Ou não, pois beleza não gera...é gerada
Deus pródigo, não há parcimônia em suas flechadas
Mas, sedentos somos por suas lanceadas

Nesses tempos o tempo é nosso maior inimigo
Transpõe-se velozmente quando os hálitos contíguos
Ó tempo, tempestuoso oponente
Lentidosamente percorre quando estamos ausentes

Namorados, tudo maravilha
Olhar para o lado é apreciar a abadia
Somos santos, condutores do afeto
Idolatramos quem é, não quem somos...que é o correto

Entretanto, o tempo passa...o amor se rasga e o que sobra
Pode me chamar de tralha, canalha, a verdadeira corja
És verdade, tudo muda.
O contrário se endireita e o certo vira de ponta-cabeça

Namorados, ambos os lados, enfadados
Dias corridos, sorumbáticos e enevoados
Mesmo que soluções brotem...desistem
Mesmo que flores floresçam... emurchecem...juntos

Namorados, antes desviassem do filho da Deusa
Já que não basta só beleza...não és perfeita
Deus gótico...há apenas barbárie em suas flechadas
Ainda sim, sorrisos hemorrágicos abrolham nas faces cansadas

Nesses momentos o tempo não é vento campestre
Venta forte opostamente, ventas apontadas para o leste e oeste
Ó tempo, és o verdadeiro bom samaritano
Trazes as verdades...é fácil dizer...eu te amo

Namorados, tudo é relativo
Olhar para o lado é ponderar debaixo do vestido
Somos pecadores, adutores da heresia
Contemplamos quem pode ser, não quem é...isso és uma premissa

Mas não...nem tudo tem que findar assim
Ainda mais nos corações dos adoráveis tupiniquins
Lutemos pelo respeitoso amor...enraizado, puro e sem contenção  
Pois não há dia nem hora e nem lugar para nós mesmos sermos a verdadeira razão
De existirmos juntos...ou não rsrsrs

segunda-feira, 30 de maio de 2011

O que estarão fazendo neste momento?

Algum dia você já se pegou pensando: onde estão todas as pessoas importantes que passaram por minha vida? O que estarão fazendo neste momento?
Sabemos o que aconteceu, mas como saber o depois
Depois que passamos, quem ficou?
quem deixamos? quem nos deixou?

O que estão fazendo agora? Não sabemos
Pois fomos embora
Ou embora nos mandaram? Como saberemos?
Não importa, dê o primeiro passo você mesmo e siga sua estrada
Mas percorra com cuidado, pois nem tudo que reluz é ouro...pode ser prata

Todos estarão sempre com você
Viajando de carona nas sinapses
E aguardando a hora de aparecer
Geralmente estamos dormindo quando não queremos sonhar
Pois acordados é que torcemos para aquela sombra personificada abrolhar

Nãããooo....será?
Posso ser tão masoquista assim?
Mas bem que gostaria de saber o que todos estão fazendo...enfim
Amigos, amantes, inimigos, semelhantes
Todos importantes, pois são a soma de tudo que somos
Nosso caráter é o próprio filho de Frankenstein
Cada pedaço emprestado por mal...ou por bem

Aguardo com meus pensamentos
O momento certo de encontrar
Até lá sigo com alguém ou com a solidão
Que me sentencia a culpa de achar

Achar que eu errei o caminho
Perdi-me no labirinto
Escolhi o horizonte vertical
No momento em que tudo parecia real

Mas na realidade todos os caminhos atrelam-se em um só ponto
Mesmo que estradas labirintídicas estejam no caminho
Ao final todos estejamos prontos...para o encontro
Vejo vocês lá, e estarei tranquilo

Agora conservo meus pensamentos
Hirtos até o momento
De com todas essas pessoas sonhar
Pois acordados temos medo de nunca conseguir encontrar

E agora...o que estarão fazendo neste momento?

terça-feira, 17 de maio de 2011

Liberdadi de Esspreção

Livro distribuído pelo MEC defende errar concordância (Fonte: Folha.com).

Haaa...agora sim, estamos livres
Livres de qualquer culpa
Livres da disputa
De quem fala mais errado
Agora que o governo liberou o dialeto genériconizado

Pra que ser culto, inteligenti ou informado
Melhor ser isperto, falar como quero ao invés de letrado

O país atestou...não conseguimos encinar
Somos inconpetentes...então melhor liberar
Que isso meu!!! Não sou burro não!!!
Posso falar como quizer, mas tenho que iscrever com exatidão

Falaremos “nóis pega”
Escreveremos “nós pegaremo”
Pois a escrtita como está ficará
Só a fala mudará...será?...ou já é como é, e como está vai ficar??? Sei lá.

Pra que termos a imensa dificuldade de pensar
Obrigado governo por esse peso tirar
Posso agora me dedicar às outras atividadis
Como tc com vc na net
Ou ser um BBB sem dificuldadis

Não é só isso...agora tenho mais o que fazer
Menas preocupação
Menas preção
Posso dizer tudo como querer

Obrigado Brazil por este presenti
Nunca vou me esquecer
Posso até parar de escrever por causa da interneti
Mas farei tudo que prometer

Prometo escrever cada vez menos
Falar cada vez mais
Ser alienado, nunca mudar de opnião
E defender com unhas e dentis a liberdadi de esspreção

Viva o Brazil, o pais do futuru!!!

Agora sim...somos todos iguais
Se até o ex-presidente pode, porque não nóis merus mortais

A corrupção investe...nela
Mas falo “sou contra a robaleira”
Já que é pra pegar nosso dinheiro
Deicho o meu dentro da meia

Ordem e progresso
No país dos miseráveis
Já não sabíamos escrever
Agora falamos liberdadi

Pois a porta do progresso estava meia aberta
Porém agora melhorou
A porta fexou de vez
Mas hoje posso deselvonver meu dom

O dom da fala libertária
O fim da pressão linguística
Até falo difícil às vezes
Pra monstrar minha capacidade pensativa

Pensu...logo existu
Sou brazileiro meu filho

Viva o Brazil, o pais do futuru !!!